Portal fundado em 01 de fevereiro de 2014; Pelo jornalista Roberto Marques

Cidadão Repórter

65992519733
Várzea Grande(MT), Terça-Feira, 30 de Novembro de 2021 - 03:55
21/11/2021 as 10:38 | Por Assessoria |
Max Russi homenageia personalidades negras e cria lei do Dia Estadual de Tereza de Benguela
Solenidade homenageou 147 personalidades, em alusão ao dia nacional do Zumbi Do Palmares
Fotografo: Divulgação
Publicação

 

O governador Mauro Mendes (DEM) sancionou, na quinta-feira (18), a Lei 11.577, que institui o dia 25 de julho como o Dia Estadual da Mulher Negra e de Tereza de Benguela. A proposta é de autoria do presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Max Russi (PSB). Uma sessão solene, também requerida pelo parlamentar e que homenageou mais de 147 personalidades, em alusão ao dia nacional do Zumbi Do Palmares e da Consciência Negra, foi realizada no Teatro Zulmira Canavarros, na quinta-feira. Evento contou com show nacional, da cantora nacional Ana Cacimba. 

Na ocasião, que teve a participação da primeira-dama Virgínia Mendes e do senador Wellington Fagundes(PL), foram entregues moções de aplausos, além da Honraria Ancestral e Estatuetas do 1° Prêmio Mato-grossense Tereza de Benguela. Conforme a presidente e co-fundadora do Coletivo do Quariterê, Silviane Ramos Lopes da Silva, foram 22 premiações, 115 homenagens e 10 honrarias. 

De acordo com o deputado Max Russi, a intenção fomentar o reconhecimento da luta e da pauta da população negra, assim como sua contribuição na sociedade na história do Estado.

“Esse prêmio não é um mero evento, mas é um reconhecimento da luta e da pauta da população negra. Gostaria de dizer ainda que essa é apenas uma pequena parcela de tantas outras personalidades, que tem uma contribuição importante na história de nosso estado, de nosso país”, complementou.

Tereza de Benguela - Teresa de Benguela foi uma líder quilombola que viveu em um quilombo, às margens do rio Guaporé, em Vila Bela da Santíssima Trindade. Ela liderou o Quilombo de Quariterê, após a morte de seu companheiro, José Piolho, morto por soldados. Rainha Tereza, com era conhecida, comandou uma comunidade de três mil pessoas. Uniu negros, brancos e indígenas para defender o território onde viviam, resistindo bravamente à escravidão por mais de 20 anos. Também geriu a estrutura política, econômica e administrativa da comunidade.

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil