Várzea Grande dá mais um passo no processo de implantação do projeto A3P


No mês de abril todo material de reciclagem será recolhido por empresa contratada vencedora de certame licitatório

PREFEITURA MUNICIPAL Publicada: 19/03/2019 05:51:55 Autor: Assessoria
Foto: Divulgação
Publicação .

A prefeitura de Várzea Grande, por meio da secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável está implantando o Projeto Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), que torna rotina a gestão ambiental na administração pública, por meio do reaproveitamento de materiais recicláveis e da promoção de consumo consciente e da necessidade em se reduzir os gastos com materiais (ex: papel) e dos recursos naturais como energia e água.

A partir de abril, o recolhimento de resíduos como papeis e embalagens serão realizados por uma associação de catadores, a Asmats, cooperativa que venceu o processo de licitação realizado no ano passado e que vai, sem qualquer custo ao Município, executar toda a logística de recolhimento e destinação dos materiais juntos às secretarias e autarquias. Para que a rotina do A3P seja incorporada à rotina da Administração Pública, foi formada uma Comissão com dois representantes de cada secretaria. Esses voluntários serão capacitados para identificar situações que geram desperdício e impactos ambientais, bem como a identificar produtos que podem ser reaproveitados e a melhor maneira de acondicionar até a retirada dos bolsões.

O projeto A3P é uma estratégia para construção de uma nova cultura institucional inserindo critérios socioambientais na administração pública, visando sempre a conscientização ambiental.

Como explica a secretária adjunta de Meio Ambiente, - e coordenadora do projeto – Viviane Nascimento, esses servidores serão multiplicadores em suas secretarias. “Num primeiro momento vamos chamar à atenção para o descarte devido dos produtos, mas o foco é estimular a conscientização para redução do consumo de produtos que trazem impacto ambiental, criando uma nova consciência ambiental. Além disso tudo, que será um grande ganho para nossa comunidade, a percepção do que de fato é desperdício, como luzes acesas sem necessidade, ar condicionado ligado após o expediente e até mesmo o cuidado na hora de imprimir documento, são mudanças de hábitos que vamos levar para casa e isso vai irradiar entre os familiares. Para o poder público esse novo comportamento irá sem dúvida fazer a diferença nos custos com materiais de expediente e sobre as contas de água e de luz”.

A secretária da Pasta, Helen Farias Ferreira, acrescenta que a A3P faz parte de uma política de governo adotada desde 2017 pela prefeita Lucimar Sacre de Campos. O decreto nº 43, de 1º de junho de 2017, dispõe sobre a adesão ao programa do Ministério do Meio Ambiente, constituição de Comissão Municipal e nomeação de membros, e dá outras providências. “O  programa do Ministério do Meio Ambiente foi criado como resposta da administração pública à necessidade de enfrentamento das graves questões ambientais. É preciso pensar em como gastar menos energia para manter as instalações públicas, a redução de gastos de materiais recicláveis e não recicláveis, gerando o mínimo de rejeitos ao planeta, além de desenvolver políticas públicas voltadas à aquisição de produtos e serviços que causem menos danos ao meio ambiente e que busquem a sustentabilidade na administração pública”.

Ainda conforme a secretária, o projeto A3P reflete o interesse da sociedade local, ao contribuir para a melhora da eficiência do órgão público, com menos gastos e menor impacto sobre o meio ambiente. “O A3P traz como meta a prática dos 5R’s: repensar, reduzir, reaproveitar, recusar e reciclar material consumido, visando sempre conscientizar ambientalmente os profissionais da Administração Municipal de Várzea Grande, além de estimular a reflexão e a mudança de atitude dos servidores para que os mesmos incorporem os critérios da gestão socioambiental em suas atividades rotineiras”.

A Administração Pública é uma grande consumidora e usuária de recursos naturais e tem papel estratégico na promoção e indicação de novos padrões de consumo e por isso deve ser exemplo na redução de impactos socioambientais e negativos gerados pela atividade pública, como pontua a secretária Helen.

A coordenadora do Projeto destaca ainda que o A3P é um desafio. “E só será vencido se suas ações se tornarem rotina. Há uma barreira, pois é preciso repensar a atuação pessoal e profissional, questionar hábitos, processos e procedimentos, conhecer o estado atual e as possibilidades de transformação e compartilhar conhecimentos, técnicas, informações, etc. No fim teremos o uso racional dos recursos naturais e bens públicos, gestão adequada dos resíduos gerados, qualidade de vida no ambiente de trabalho, sensibilização e capacitação dos servidores e licitações sustentáveis em suas compras ou nas formas de serviços contratados”.